Sobre crescer e ajudar o outro...





O que há em ser humano que nos faz sentir melhor quando ajudamos os outros?

Anos atrás, a antropóloga Margaret Mead foi questionada por uma estudante sobre o que ela considerava ser o primeiro sinal de civilização em uma cultura. O aluno esperava que Mead falasse sobre potes de barro, ferramentas para caça, pedras de amolar ou artefatos religiosos.


Mas não. Mead disse que a primeira evidência de civilização foi um fêmur fraturado de 15.000 anos encontrado em um sítio arqueológico. O fêmur é o osso mais longo do corpo, ligando o quadril ao joelho. Em sociedades sem os benefícios da medicina moderna, leva cerca de seis semanas de descanso para a cicatrização de um fêmur fraturado. Este osso em particular havia sido quebrado e estava curado.


Mead explicou que, no reino animal, se você quebrar a perna, você morre. Você não pode fugir do perigo, não pode beber ou procurar comida. Ferido dessa forma, você é carne para seus predadores. Nenhuma criatura sobrevive a uma perna quebrada por tempo suficiente para o osso se curar. Você é comido primeiro.


Um fêmur quebrado que cicatrizou é evidência de que outra pessoa demorou para ficar com o caído, amarrou o ferimento, carregou a pessoa para um local seguro e cuidou dela durante a recuperação.


Um fêmur curado indica que alguém ajudou outro ser humano, em vez de abandoná-lo para salvar sua própria vida.

Remy Blumenfeld (Tradução de trecho do Artigo "How A 15,000-Year-Old Human Bone Could Help You Through The Coronacrisis")


Fonte: Forbes - Disponível em: https://www.forbes.com/sites/remyblumenfeld/2020/03/21/how-a-15000-year-old-human-bone-could-help-you-through-the--coronavirus/?sh=5021f01537e9